Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Universidades federais no Rio devem dar mais transparência a processos seletivos

Universidades federais no Rio devem dar mais transparência a processos seletivos

Universidades federais no Rio devem dar mais transparência a processos seletivos

A constatação é de auditoria do TCU, relatada pelo ministro Walton Alencar Rodrigues, em quatro federais localizadas no Estado do Rio de Janeiro. Foram avaliados editais de concursos para professores e para pós-graduação

Universidades federais no Rio devem dar mais transparência a processos seletivos – O Tribunal de Contas da União (TCU), sob a relatoria do ministro Walton Alencar Rodrigues, realizou auditoria de conformidade em quatro universidades federais localizadas no Estado do Rio de Janeiro. O TCU avaliou os editais de concursos públicos para cargos do magistério superior e para seleção de alunos de doutorado e de residência médica.

A fiscalização da Corte de Contas abrangeu a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF), a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

No que se refere à publicidade dada aos processos de seleção, o ministro-relator explicou haver falhas, uma vez “que 72,5% dos editais consultados não foram divulgados no Diário Oficial da União nem em outros veículos, tais como o sítio oficial da instituição na rede mundial de computadores ou no boletim universitário”.

O TCU verificou a falta de divulgação dos candidatos selecionados nos programas de pós-graduação quando há uma etapa prévia de análise de projetos e de documentação. “A publicação dos resultados de cada etapa faz-se necessária para conferir ao candidato o direito de recorrer contra a decisão administrativa”, asseverou Walton Alencar Rodrigues.

No que se refere ao conteúdo dos editais para seleção de discentes, “lacunas consideráveis foram identificadas”, apontou o ministro-relator. Faltam informações sobre locais, horários e procedimentos para inscrição; nível de escolaridade exigida; cronograma do processo seletivo, ainda que estimado; etapas do processo seletivo e regras para classificação dos candidatos; temas de pesquisa ou programa de especialidade médica ofertado; conteúdo programático e bibliografia de referência indicada.

“A falta de informações básicas põe em risco o sucesso do processo seletivo, em afronta aos princípios da eficiência e da publicidade, o que permite questionar se tais instrumentos têm atingido os fins pretendidos”, destacou o ministro Walton Alencar Rodrigues. Universidades federais no Rio devem dar mais transparência a processos seletivos

Quanto à reserva de vagas para pessoas com deficiência, o TCU verificou que o Decreto 9.508, de 2018, estabelece percentual mínimo de 5% a serem oferecidas para o provimento de cargos efetivos e contratação por tempo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público (Lei 8.745, de 1993). Da mesma forma, a Lei 12.990, de 2014, reserva 20% das vagas nos concursos públicos para candidatos negros. “Essas disposições normativas, em regra, se aplicam à contratação de professores, não se impondo à seleção de discentes de pós-graduação, salvo disposição específica em contrário”, explicou o ministro-relator.

O TCU determinou que os critérios de julgamento devem estar apresentados no regulamento do concurso ou processo seletivo de forma objetiva. Para Walton Alencar Rodrigues, “a eventual subjetividade do julgador pode estar a afetar os interesses públicos e a ferir direitos individuais”.

A Corte de Contas determinou a adequação dos normativos aplicados aos processos seletivos ao entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF). Em especial, as quatro universidades federais fluminenses deverão estabelecer o caráter classificatório da prova de títulos, por força do que dispõe o art. 5º, caput, da Constituição Federal.

“Embora tal situação não tenha sido identificada em todos os editais avaliados, no caso, convém recomendar às instituições que façam e disponibilizem gravações [das provas orais], visto que tal prática favorece o contraditório e a ampla defesa, além de conferir legitimidade ao processo seletivo”, ponderou o ministro Walton Alencar Rodrigues.

As quatro universidades fiscalizadas pelo TCU deverão, no prazo de 90 dias, suprimir, dos seus normativos, os critérios para a avaliação de títulos que se baseiem no tempo de exercício ou na experiência profissional dos candidatos ao magistério superior. “Por afrontarem o princípio da isonomia”, esclarece o relator.

Leia também:

https://www.i9treinamentos.com/falta-de-fiscalizacao-e-obras-precarias-colocam-em-risco-os-edificios/

O Tribunal também determinou providências para os futuros editais para seleção de docentes e de discentes de pós-graduação. As universidades deverão divulgar os editais para seleção de discentes nos programas de pós-graduação,stricto ou lato sensu, em meio de comunicação adequado e com antecedência suficiente para que o público-alvo tenha conhecimento dos requisitos e exigências estabelecidos no instrumento convocatório, em observância ao princípio da publicidade.

As quatro instituições superiores deverão dar publicidade a todas as etapas previstas no processo seletivo para discentes nos programas de pós-graduação, “atentando para que seja franqueado ao candidato a possibilidade de recorrer da decisão administrativa que lhe for imposta”, alertou o ministro Walton Alencar Rodrigues.

O tempo necessário de preparação terá de ser observado pelas universidades fiscalizadas. A comissão de julgamento do processo seletivo para docentes ou discentes nos programas de pós-graduação “deverá conceder a antecedência necessária e suficiente para a preparação do candidato”, explicou o ministro-relator.

Outra providência necessária, na visão do Tribunal de Contas da União, é coibir a identificação do candidato nas provas aplicadas, por afronta ao princípio da impessoalidade. Bem como será necessário padronizar os instrumentos convocatórios para seleção, em vista da busca de mais eficiência pela administração pública. Universidades federais no Rio devem dar mais transparência a processos seletivos

Serviço

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 804/2019 – Plenário

Fonte

Conheça o calendário de cursos da I9 Treinamentos para o ano de 2019. Novos cursos e professores renomados. Clique na imagem abaixo e fique sabendo muito mais…

outubro 2019

14out(out 14)08:0018(out 18)17:00SIAFI Week Avançado Outubro 2019Aprofunde os conhecimentos para atuar na área de execução orçamentária, financeira e contábil através do SIAFI

21out(out 21)08:0022(out 22)18:00Emendas Parlamentares outubro de 2019Entenda o processo de captação de recursos através de emendas parlamentares

23out(out 23)08:3025(out 25)16:30Gestão da Comunicação e Mídias Sociais para a Administração PúblicaConheça os novos paradigmas da comunicação e debata os desafios impostos pela velocidade da comunicação no mundo digital.

28out(out 28)08:0029(out 29)17:00Curso prático de elaboração de termos de referência e projetos básicos outubro de 2019Assegure-se que o processo de licitação será econômico e juridicamente eficiente.

30out01novRevisão, Reequilíbrio e Reajuste de Contratos PúblicosConheça a legislação atualizada, a visão do Tribunal de Contas da União (TCU) e Jurisprudências na prática sobre o assunto.

novembro 2019

30out01novRevisão, Reequilíbrio e Reajuste de Contratos PúblicosConheça a legislação atualizada, a visão do Tribunal de Contas da União (TCU) e Jurisprudências na prática sobre o assunto.

06nov(nov 6)08:3008(nov 8)16:30Formação de Gestores e Fiscais de ContratosConheça os procedimentos, técnicas, responsabilidades, controles, ações e relatórios. Sob a perspectiva da nova instrução normativa nº 05/2017-SEGES/MPDG

11nov08:0018:00Simec Introdução ao PAR novembro de 2019Compreenda a correta utilização do SIMEC na fase preparatória

12nov08:0018:00Simec Fase de Diagnóstico do PAR novembro de 2019Compreenda a correta utilização do SIMEC de Diagnóstico do PAR

13nov08:0018:00Simec Fase de Planejamento e Execução novembro de 2019Compreenda a correta utilização do SIMEC de Planejamento e Execução

14nov08:0017:00Regularizando a situação no novo CAUCO Cauc mudou… conheça na prática e objetivamente como regularizar e atualizar a inadimplência de sua instituição.

18nov(nov 18)08:0022(nov 22)17:00Curso Plataforma +Brasil Completo Novembro de 2019Saiba tudo sobre o funcionamento da Plataforma +Brasil e sua correta utilização. Curso com todas as atualizações do módulo de transferências Voluntárias - Siconv

25nov(nov 25)08:0026(nov 26)17:00A nova legislação de convênios e contratos de repasse Novembro de 2019Curso Completo com foco na nova legislação de convênios e contratos de repasse

27nov(nov 27)08:3029(nov 29)16:30Formação de Gestores Públicos e Ordenadores de Despesas – Uma visão estratégicaSeja capaz de introduzir em sua Administração o Plano Estratégico por meio de Projetos

dezembro 2019

02dez(dez 2)08:3004(dez 4)16:30Esocial na Administração Pública incluindo os novos layouts dezembro de 2019Curso fundamental para capacitar os profissionais a fim de prestarem corretamente as informações ao eSocial.

05dez(dez 5)08:0006(dez 6)17:00Novo Projeto Básico do Siconv compacto na prática Dezembro de 2019Teoria e prática do novíssimo projeto básico do Sistema de Gestão de Convênios do Governo Federal – Siconv.

09dez(dez 9)08:3011(dez 11)18:00Curso Completo de Contabilidade Pública - Encerramento de exercícioEsteja apto a identificar conceitos e características da contabilidade aplicada ao setor público para o encerramento de exercício.

16dez(dez 16)08:0020(dez 20)17:00Curso Plataforma +Brasil Completo Dezembro de 2019Saiba tudo sobre o funcionamento da Plataforma +Brasil e sua correta utilização. Curso com todas as atualizações do módulo de transferências Voluntárias - Siconv

Calendário de Cursos da I9 Treinamentos para 2019

Cursos em Destaque

Rolar para cima
X