Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Emendas Parlamentares: um instrumento legítimo ou ineficiente?

Emendas Parlamentares: um instrumento legítimo ou ineficiente?

Emendas Parlamentares: um instrumento legítimo ou ineficiente?

Emendas Parlamentares: um instrumento legítimo ou ineficiente? – O debate a respeito das emendas parlamentares é antigo e divide opiniões: será mesmo que deixar parte dos recursos nas mãos dos deputados e vereadores é a melhor forma de atender à população? Ou seria uma forma de politizar o orçamento e deturpar as funções essenciais de um parlamentar? Esses são os pontos que esse artigo se propõe a refletir. As emendas parlamentares são uma fração do orçamento do Poder Executivo destinado aos deputados e, por vezes aos vereadores, para que possam destinar essa verba a ações do governo, a prefeituras ou a organizações sociais.

A existência das emendas divide opiniões. Por um lado, os deputados são representantes legítimos das regiões e conseguem acessar de forma muito mais capilarizada as informações a respeito das necessidades dos municípios. Por outro lado, há quem argumente que sua função deveria se resumir a fiscalizar o governo e legislar.

Leia também:

As emendas parlamentares como artifício de representação política

De fato, há um custo muito alto em obter e manter atualizados os dados sobre as mais de 5 mil cidades do país. Em governos como o de Minas Gerais, são 853 municípios e mais de 20 milhões de cidadãos. Por essa perspectiva, contar com apontamentos dos deputados estaduais e federais sobre quais os principais desafios ao redor do estado parece uma ótima ideia, que pouparia tempo e recurso dos técnicos que cuidam das políticas públicas.

Por outro lado, esse sistema abre margem para negociações entre prefeitos e deputados que distorcem o princípio da efetividade da administração pública. Não são poucos os casos em que o deputado direciona seus recursos para aqueles prefeitos que o apoiaram nas eleições em troca de, nas eleições municipais, garantir o endosso a esse prefeito.

Nesses casos, o critério deixa de ser quem mais precisa e passa a ser quem mais ajuda na reeleição. Ou até mesmo, quem mais acessa aos parlamentares e possui capital político para trocar. Além disso, na ânsia de assegurar que o máximo de apoios aconteça, o recurso das emendas parlamentares se dissipa em projetos de valores muito pequenos. O alto volume de convênios a ser firmado, executado e finalizado gera um custo ainda maior para o Estado, que precisa garantir os processos de licitação, monitoramento e prestação de contas.

Para empenhar uma emenda de R$50 mil, são gastas várias horas de servidores, sistemas, viagens e também de fiscalização de outros órgãos até a baixa do convênio. Sem contar que, se há uma intercorrência na implementação, como um desvio do recurso, a responsabilidade não é do parlamentar que fez a indicação, mas sim dos órgãos envolvidos nessa contratualização.

Apesar do modelo atual ter sua legitimidade, tendo a concluir que não funciona. É um fato que os deputados recebem inúmeras demandas em seus gabinetes e estão mais presentes nos municípios, conhecendo melhor a realidade das cidades em que atuam, porém, essas informações não levam em conta o estado como um todo. E o que pode acontecer? As verdadeiras prioridades continuarem escondidas em detrimento daquelas que possuem mais acesso aos parlamentares ou que tenham negociado apoio político-eleitoral. É importante que a motivação da destinação das emendas não seja estritamente eleitoreira, mas sim técnica e meritocrática.

A lógica das emendas parlamentares poderia trazer muito mais impacto positivo para a população do que tem gerado. A destinação técnica e meritocrática é um primeiro ponto a ser pensado. Por que não criar critérios para que municípios, organizações sociais e públicas inscrevam projetos e concorram por esse recurso? Outra ideia seria assegurar que parte desse valor fosse destinado ao monitoramento e fiscalização desses convênios, garantindo sua plena execução e prestação de contas. Uma outra regra que minimizaria esses esforços de acompanhamento poderia ser a instituição de um valor mínimo para cada indicação do parlamentar, a partir de uma conta racional de viabilidade do projeto, capaz de medir se ele não custará mais para ser fiscalizado do que o seu valor finalístico.

Após essas inúmeras reflexões, a conclusão em um mundo ideal seria que não tivéssemos emendas parlamentares e que o Executivo fosse o responsável pela gestão completa desses recursos de acordo com as prioridades de cada governo e necessidades identificadas juntos às regiões. Porém, diante do quadro atual, a implementação das alternativas acima pode gerar um efeito mais eficiente nessa alocação de recursos, fazendo o dinheiro chegar a quem mais precisa, sem condicionar essa indicação a uma troca de apoio político-eleitoral.

Há deputados federais e estaduais ao redor do Brasil e de primeiro mandato realizando editais públicos de projetos. É uma excelente iniciativa que, se for bem-sucedida, promete re-significar o atual sistema das emendas parlamentares e a relação prefeito-deputado que conhecemos hoje.

Fonte

Conheça o calendário de cursos da I9 Treinamentos para o ano de 2019. Novos cursos e professores renomados. Clique na imagem abaixo e fique sabendo muito mais…

outubro 2019

14out(out 14)08:0018(out 18)17:00SIAFI Week Avançado Outubro 2019Aprofunde os conhecimentos para atuar na área de execução orçamentária, financeira e contábil através do SIAFI

21out(out 21)08:0022(out 22)18:00Emendas Parlamentares outubro de 2019Entenda o processo de captação de recursos através de emendas parlamentares

23out(out 23)08:3025(out 25)16:30Gestão da Comunicação e Mídias Sociais para a Administração PúblicaConheça os novos paradigmas da comunicação e debata os desafios impostos pela velocidade da comunicação no mundo digital.

28out(out 28)08:0029(out 29)17:00Curso prático de elaboração de termos de referência e projetos básicos outubro de 2019Assegure-se que o processo de licitação será econômico e juridicamente eficiente.

30out01novRevisão, Reequilíbrio e Reajuste de Contratos PúblicosConheça a legislação atualizada, a visão do Tribunal de Contas da União (TCU) e Jurisprudências na prática sobre o assunto.

novembro 2019

30out01novRevisão, Reequilíbrio e Reajuste de Contratos PúblicosConheça a legislação atualizada, a visão do Tribunal de Contas da União (TCU) e Jurisprudências na prática sobre o assunto.

06nov(nov 6)08:3008(nov 8)16:30Formação de Gestores e Fiscais de ContratosConheça os procedimentos, técnicas, responsabilidades, controles, ações e relatórios. Sob a perspectiva da nova instrução normativa nº 05/2017-SEGES/MPDG

11nov08:0018:00Simec Introdução ao PAR novembro de 2019Compreenda a correta utilização do SIMEC na fase preparatória

12nov08:0018:00Simec Fase de Diagnóstico do PAR novembro de 2019Compreenda a correta utilização do SIMEC de Diagnóstico do PAR

13nov08:0018:00Simec Fase de Planejamento e Execução novembro de 2019Compreenda a correta utilização do SIMEC de Planejamento e Execução

14nov08:0017:00Regularizando a situação no novo CAUCO Cauc mudou… conheça na prática e objetivamente como regularizar e atualizar a inadimplência de sua instituição.

18nov(nov 18)08:0022(nov 22)17:00Curso Plataforma +Brasil Completo Novembro de 2019Saiba tudo sobre o funcionamento da Plataforma +Brasil e sua correta utilização. Curso com todas as atualizações do módulo de transferências Voluntárias - Siconv

25nov(nov 25)08:0026(nov 26)17:00A nova legislação de convênios e contratos de repasse Novembro de 2019Curso Completo com foco na nova legislação de convênios e contratos de repasse

27nov(nov 27)08:3029(nov 29)16:30Formação de Gestores Públicos e Ordenadores de Despesas – Uma visão estratégicaSeja capaz de introduzir em sua Administração o Plano Estratégico por meio de Projetos

dezembro 2019

02dez(dez 2)08:3004(dez 4)16:30Esocial na Administração Pública incluindo os novos layouts dezembro de 2019Curso fundamental para capacitar os profissionais a fim de prestarem corretamente as informações ao eSocial.

05dez(dez 5)08:0006(dez 6)17:00Novo Projeto Básico do Siconv compacto na prática Dezembro de 2019Teoria e prática do novíssimo projeto básico do Sistema de Gestão de Convênios do Governo Federal – Siconv.

09dez(dez 9)08:3011(dez 11)18:00Curso Completo de Contabilidade Pública - Encerramento de exercícioEsteja apto a identificar conceitos e características da contabilidade aplicada ao setor público para o encerramento de exercício.

16dez(dez 16)08:0020(dez 20)17:00Curso Plataforma +Brasil Completo Dezembro de 2019Saiba tudo sobre o funcionamento da Plataforma +Brasil e sua correta utilização. Curso com todas as atualizações do módulo de transferências Voluntárias - Siconv

Calendário de Cursos da I9 Treinamentos para 2019

Cursos em Destaque

Rolar para cima
X